Anuidade de Cartão de Crédito? Sim ou Não?

Normalmente quando a alguém começa a pesquisar e se interessar por saber como acumular milhas e pontos, uma das primeiras dúvidas que aparecem é: qual cartão de crédito devo usar? Mas antes mesmo de responder a pergunta já automaticamente vem o pensamento: “Não quero pagar anuidade!”.

Um esclarecimento antes de começar: a anuidade do cartão de crédito nada mais é que uma taxa que você vai pagar ao emissor do cartão pelo direito de uso. Como uma maneira de “compensar” a anuidade são oferecidos serviços associados ao cartão para justificar aquele valor. Esses serviços são divididos normalmente em diferentes tipos: os serviços oferecidos pelo emissor do cartão (Itaú, Banco do Brasil, Bradesco, etc.), os serviços oferecidos pela bandeira do cartão (Visa, Mastercard, Elo, etc.) e os serviços oferecidos quando o cartão é o que chamamos de “co-branded”, ou seja, existe mais um parceiro envolvido (Azul, Latam, Gol, Extra, etc).

Mas então será que isso é mesmo algo muito ruim considerando que os cartões mais caros do mercado podem cobrar até R$1.500 de anuidade? A resposta é simplesmente: DEPENDE!

Antes de responder, procure pensar e responder 3 perguntas:

  1. Qual o seu perfil como viajante? Ou seja, basicamente quantas viagens faz por ano, se são nacionais ou internacionais, negócios ou turismo, sozinho (a) ou em família, etc.
  2. Qual o seu perfil de gastos? Quanto você gasta em despesas por mês e o quanto disso pode ser transferido para o cartão de crédito.
  3. Qual o seu objetivo com as milhas acumuladas? Basicamente quanto espera (ou precisa) acumular para chegar ao seu objetivo. Existem passagens nacionais a partir de 3.000 pontos e também existem internacionais onde o céu é o limite.

Como cada pessoa vai ter uma combinação de fatores, ter uma resposta pronta é basicamente algo impossível. Quer um exemplo: vamos analisar de maneiras diferentes 2 cartões disponíveis atualmente no mercado (e não são nem as opções mais caras disponíveis).


C6 Carbon – Banco C6

Atualmente o C6 Carbon é um dos cartões Blacks mais fáceis de se conseguir, constuma ser bastante generoso com o limite e ainda recentemente lançou um CDB onde você deposita o dinheiro no banco e libera mais limite no seu cartão de crédito. Ou seja se você não consegue comprovar renda mas tem R$5.000 que podem ser investidos, isso é o suficiente para liberar o C6 Carbon.

E isso foi justamente o que o João fez, depositou um dinheiro para liberar logo o cartão. O perfil do João é viajar de 3 a 4 vezes por ano com a namorada Maria, na maioria do caso em viagens nacionais. O João sabe que a anuidade do cartão é de R$1.020 (ou R$85 por mês) e normalmente ele consegue gastar cerca de R$5.000 no cartão por mês. Isso faz com que ele consiga 50% de desconto, ou seja, ainda tem que pagar R$510 por ano.

Mas o João pediu um cartão adicional para a Maria e agora ambos tem 8 acessos a Sala Vip (4 cada) por ano graças ao cartão. Agora ao invés de gastar com comida no aeroporto eles frequentam Salas Vip nas viagens e deixaram de gastar R$100 em cada viagem com comida e bebidas de aeroporto.

Mas ainda tem mais, o João aprendeu que pode usar o serviço de Concierge do cartão, e na última viagem do casal onde ele pretendia pedir ela em casamento, ele conseguiu reservar o hotel usando os serviços do concierge que lhe garantiu upgrade de quarto e ainda U$25 de crédito para usar no hotel.


Visa Azul Infinite – Itaucard

A anuidade de R$1.200 ou R$100 por mês pode assustar, já que para conseguir isenção precisa gastar R$20.000 por mês. Mas isso não impediu a Paula de pedir o cartão. A estimativa dela é que em alguns meses ela fosse pagar a parcela cheia da anuidade, mas em alguns meses ela pagaria apenas 50%.

Acontece que a Paula viaja pelo menos uma vez por mês a trabalho e um dos seus principais aeroportos é Campinas (VCP). Como o cartão garantiu a ela status automático na categoria Diamante, ela agora pode usar o espaço azul nas viagens sem gasto nenhum adicional, isso já significa uma economia de R$60 por viagem. Isso claro sem contar o check-in preferencial.

O fato dela poder viajar sempre pela Azul, mas as despesas do cartão de crédito fez com que em 5 meses ela já conseguisse acumular os 50.000 pontos no cartão de crédito. Agora a Paula, que é casada com o Pedro e mãe do Leonardo de 5 anos, tem direito a emitir passagens de cortesia para até 2 acompanhantes em voos domésticos.

O destino escolhido foi Fernando de Noronha em Outubro/2021 pela limitação de férias do casal. A vantagem vai ser pagar cerca de R$1.600 na passagem de ida para 3 pessoas, quando o custo original era quase 3x mais (economia de 65%). A volta ela emitiu com as milhas acumuladas nas viagens de trabalho.

E ainda tem mais, não vai ser necessário pagar por malas, já que ela ainda tem direito a 3 malas em voos nacionais.

Pensa que isso é tudo, a Paula ainda teve que comprar um telefone novo mês passado, e ganhou 20 pontos por real na compra que ela fez. Foram 100.000 pontos adquiridos e ela ainda usou a proteção de preço do cartão para receber R$1.000 de volta do valor gasto. Esses pontos ainda ajudaram a pagar o hotel em Fernando de Noronha.


Resumo da História

No caso do João ele basicamente zerou o custo da anuidade considerando os benefícios que ele usou. No caso da Paula a economia foi melhor e maior, não somente ela zerou o custo da anuidade mas ela ainda teve retorno quase 5x maior ao custo que ela teve com a anuidade.

Isso quer dizer que a história deles se aplica a você? Pode ser que sim e pode ser que não, mas o importante é você criar a sua própria narrativa.

Eu já paguei (e pago anuidade) de cartão para ter benefícios como: aluguel de carro gratuito, hospedagem gratuita em hotéis, salas vip pelo mundo, proteção de preço e status diferenciados em diversos programas.

Gostou dos exemplos? Deixe seu comentário e vamos discutir mais possibilidades.

Quem sabe a próxima história não é sua?